segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Articulações, Costuras e Negócios



Que o boêmio Senador Aécio Neves está por trás das escolhas e indicações dos relatores para a CCJ – comissão de constituição e justiça e de cidadania – não é novidade para ninguém que esteja em sã consciência. Os Deputados federais Bonifácio Andrada e Paulo Abi-Ackel, ambos do PSDB mineiro, são do grupo de Aécio. Andrada está no 10º mandato; e Abi-Ackel no 3º mandato, ambos, tem algo em comum: pouco se importam ou pouco se importaram, em todos esses anos, quando o assunto é direitos trabalhistas. Votaram pela terceirização irrestrita, pela (de) forma trabalhista ou qualquer outro projeto que seja a favor do “deus mercado”. A equação é bem simples: Aécio articulou e costurou a salvação de Temer, e por sua vez, Temer costurou e articulou a salvação de Aécio. O acordo entre PMDB e PSDB, envolve a bagatela de 200 milhões em liberação de emendas parlamentares, o que teria garantido a sobrevivência de ambos. Como diz o axioma popular; ‘uma mão lava a outra’, neste caso as duas estapeiam a face da nação.

            Na primeira denúncia contra Temer, por corrupção passiva, o relatório do deputado Paulo Abi-Ackel, do PSDB mineiro, que foi a favor do arquivamento da denúncia, o resultado foi 41 votos a favor de Temer e 24 contra. Já a segunda denúncia, por organização criminosa e obstrução de justiça, o placar foi 39 votos a favor do arquivamento da denúncia, contra 26. Agora a decisão vai para a Câmara que dará a palavra final, é aí que porca torce o rabo.

Gentili e 4chan: como a deturpação do humor está reinventando a extrema direita.



Em agosto desse ano, a cidade americana de Charlottesville, Virgínia, ganhou as manchetes do mundo todo por sediar um protesto de suprematistas brancos. O evento ficou marcado por imagens chocantes como saudações nazistas, tochas de fogo (em alusão a Ku Klux klan), além de muito racismo e antissemitismo. Entre os organizadores estava Richard Spencer,um dos maiores expoentes da denominada Alt Rigth, grupo de extrema direita, que apoiou a campanha de Donald Trump e possui, atualmente, representantes em seu governo. A Alt Rigth se apoia em princípios radicais: são antifeministas, anti-imigrantes, antisemitas , islamofóbicos e supremacistas. “Sou nazista sim”, afirmou um homem à reportagem da BBC que cobria a manifestação em Charlottesville. Esse grupo teve seu embrião em um site de humor politicamente incorreto há cerca de uma década: o 4chan.


O 4chan é um site, fundado em 2003, onde os usuários fazem postagens e comentários sempre de forma anônima, em formato de fórum. Com o tempo, as postagens, sempre encobertas pelo anonimato, começaram a tornar contornos anárquicos e um novo tipo de humor nasceu por ali. Os memes de internet como os conhecemos e até o os influentes “anonymous” são fenômenos surgidos no submundo dos fóruns do 4chan. Aos poucos os usuários foram se organizando e realizando encontros presenciais cada vez mais frequentes. O site começava a se tornar um movimento político.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

A empresa reaça de tecnologia que elegeu Trump chega ao Brasil, de olho em 2018


Uma empresa de inteligência artificial, que garante ser capaz de ler a cabeça de milhões de pessoas em tempo real, está protagonizando uma verdadeira revolução conservadora no mundo. Este poderia ser o roteiro de um capítulo da série de ficção científica Black Mirror ou parte de um futuro distópico imaginado por George Orwell, mas é exatamente o que tem ocorrido com a empresa de big data Cambridge Analytica. A empresa, que trabalhou nas campanhas vencedoras do Brexit e de Donald Trump, instalou uma operação no Brasil visando as eleições de 2018. E já parece ter o candidato ideal por aqui.

O fundador e maior acionista da Cambridge é o bilionário norte-americano Robert Mercer, conhecido, entre outras coisas, por ter reinventado Wall Street com o uso de inteligência artificial e por ser um dos maiores financiadores de projetos de ultradireita nos EUA, além de sua notória amizade com o presidente do país. O big data da empresa funciona basicamente com armazenamento, processamento e análise de dados em tempo real, o que permite ter um conhecimento assustadoramente aprofundado sobre seu campo de interesse. Em seu próprio site, a Cambridge garante possuir mais de 5 mil dados de 230 milhões de eleitores norte-americanos. No entanto, eles não revelam como exatamente utilizam esses dados e qual é sua metodologia de aplicação.